Tailândia

Amo viajar desde sempre. Pelo meu trabalho ou pelo lazer, faço passeios mais longos ao menos duas vezes ao ano, sozinha, acompanhando grupos ou com a minha família. Em fevereiro de 2018 fiz uma viagem que foi um sonho. Eu e mais duas amigas queríamos muito conhecer a Tailândia e era chegada a hora.

Viajar para lá demanda muitas horas de voo, mas cada segundo é recompensado quando se chega. Foram 17 dias de viagem em um roteiro que incluiu Bangkok, Chiang Mai, as praias de Phi Phi, Railay, Ilhas Puket, entre tantas outras, todas maravilhosas.

Mas antes de falar das praias, vou falar da riqueza cultural dos templos budistas. O que mais me tocou foi o Wat Pho. Subir as escadarias e chegar no Buda Inclinado foi uma das maiores emoções da minha vida. Também estivemos no Buda de Esmeralda. Este pequeno grande ícone da cultura local fica no Grand Palace, que foi residência da família real da Tailândia por cerca de 150 anos. O local foi construído no século XVIII, a pedido do rei Rama I e está localizado dentro de um grande complexo murado, ao lado do Chao Phraya – o rio que passa por Bangkok.

Outra experiência inesquecível nessa região conhecida como Triângulo Dourado foi na Tribo das Mulheres Girafa. Conhecemos o dia a dia delas, que em sua maioria não são tailandesas e, sim, refugiadas do Myanmar, China e Mongólia. Elas compartilham seus costumes e vivem dos trabalhos artesanais.

Por eu não ter curiosidade em chegar tão perto dos elefantes, eu e uma das minhas amigas optamos por fazer um curso de culinária fantástico. Adoro gastronomia e me encanta conhecer novos sabores. Fomos a um sítio, onde se cultivam os mais diversos tipos de arroz, um número inimaginável de variedades. Naquele ambiente ao ar livre aprendemos o conceito da gastronomia da região, além de receitas que executamos na sequência, preparando nosso próprio almoço. Era verão e fazia muito calor, então na hora de sentarmos à mesa, que também era ao ar livre, o anfitrião acionou um sistema de irrigação caseiro, que criava uma chuva natural refrescante e incrível.

Ao visitarmos as praias, ficamos em Railay Beach e dali conhecemos várias outras. Foi em Railay que assisti ao pôr do sol mais lindo da minha vida. E, para completar, os restaurantes servem tudo na beira da praia, em cangas que eles mesmo fornecem. Um sonho.

Em Maya Bay, dormimos a bordo de um barco. Além da noite linda, a experiência é indescritível, pois ao amanhecer a praia era toda nossa e poucas horas mais tarde fica cheia de turistas. Conhecemos uma praia diferente desta forma. Aliás, para ir de uma praia a outra era extremamente em conta alugar os barcos que fazem esses roteiros de forma privativa.

Além da natureza colorida e cuidada, o povo é de uma simplicidade e pureza surpreendentes. A Tailândia é um destino mágico, onde eu me senti muito segura. Um lugar onde se come, se passeia e se compra coisas incríveis e diferentes por preços muito justos. Nosso dinheiro rende por lá, e voltamos com uma bagagem cultural extra. Outro ponto que me chamou a atenção foi a comunicação. Eles estão determinados a receber bem os turistas. Sempre consegui me fazer entender, mesmo não sabendo falar tailandês e nem todos os locais se comunicarem em inglês.

Encerramos a viagem em Bangkok, que chama a atenção com seus hotéis gigantescos e trânsito concorrido. Andar de tuk-tuks vale muito a pena. Além de poupar tempo, suas cores e música combinam com a alegria do lugar. Outra experiência gastronômica inesquecível foi o restaurante Sirocco, um sky rooftop, que fica na State Tower. Tomamos sucos e drinks nas alturas, com preços idem, mas foi muito bom.

A viagem foi ótima para desenhar roteiros cada vez mais interessantes para meus passageiros. É um destino que recomendo muito e para onde quero voltar com minha família. Até a próxima!

Imagem de aiworldexplore por Pixabay 

Majo Diaz é agente de viagem na Casamundi Turismo e conhece muitos países da América, Europa, Oriente Médio, Ásia e África. Em setembro deste ano acompanha um grupo em uma viagem para a Croácia e Itália. Também está numa fase de curtir destinos exóticos e eco. Estão nos seus planos países como Laos, Filipinas, Camboja, Vietnã, Canadá, além de querer voltar para alguns países da África, continente que já visitou duas vezes.

Rolar para cima