Blog Casamundi

[mkdf_section_title title_text_transform=”capitalize” title_text_align=”center” title_size=”medium” title=”Polônia e os Caminhos de Chopin” title_color=”#00a36c”][mkdf_section_subtitle text_align=”center” text=”por Miriam Gaiger”]

Viajo e amo viajar desde muito criança, incentivada pelos meus pais, que viam em cada viagem uma excelente oportunidade de aprendizado, tanto cultural como de convívio familiar e social. A Polônia não estava na minha lista de “desejos de viagem”, mas o roteiro “Caminhos de Chopin” proposto pela Casamundi Cultura chamou minha atenção. Obviamente ele incluía a Polônia, seu país de nascimento e residência até a juventude. Desde a minha adolescência tinha encanto pela obra de Chopin. Como digo aos amigos, meus momentos de “sofrência” típicos desta etapa de vida eram embalados, chorados e superados ao som de Chopin. A possibilidade de seguir sua trajetória reacendeu em minha memória o que hoje sei terem sido experiências e aprendizados. Continuo encantada e grata.

Foi um recorrido repleto de surpresas. Algumas de muita alegria, outras intensas em emoção. Perceber, ao chegar a Varsóvia, a capacidade de um povo em se reinventar, mesmo depois de uma tumultuada história, e ainda contemplar na reedificação da cidade suas praças, parques, mercados e museus, tendo o cuidado na preservação do seu passado. É emocionante e exemplar para todos nós. E nisto, homenagear, quiçá seu conterrâneo mais ilustre, Chopin, de maneira sempre singela e criativa.

Em Zelazowa Wola, a visita à casa de nascimento de Chopin, hoje em um parque muito lindo, dá as dimensões do carinho do povo polonês. A generosidade e a coragem veem-se desde Varsóvia e seguem, no acolhimento ao povo judeu – que na Polônia formou sua maior comunidade e, infelizmente, também por isto, foi alvo da maior barbárie em nossa história recente – e no registrar e mostrar ao mundo para que essa história não seja esquecida e repetida.

Em Cracóvia esta percepção se aprofunda e não há como não se deixar tocar e emocionar. Contudo, para igualmente comprovar que podemos preservar e reconstruir o belo, a cidade se mostra colorida, perfumada, sonora, com belas edificações, praças e parques.

Zakopane, no intervalo entre Varsóvia e Cracóvia, cidade na serra polonesa, foi um respiro neste caudal de emoções.

Varsóvia: levantou, sacudiu a poeira (literalmente) e deu a volta por cima. Teu sobrenome é resiliência.

Cracóvia: usurparam teu abraço, prenderam teus laços, queimaram teus sonhos. Mas, renasceste das cinzas. Teu sobrenome é esperança.

Polônia: entre bons e difíceis momentos resististe, porque não abriste mão de seres Polônia. Teu mais célebre musicista também nunca deixou de ter alma, coração e inspiração polonesa. Teu sobrenome é Chopin.

Foi incrível vir a saber e compreender a profunda religiosidade do povo polonês. Vivemos tantas coisas. A emoção de ouvir um músico tocando na torre da Igreja na praça do mercado. A visita à mina de sal foi inusitada, surpreendente. Conhecer a história e o dragão que cospe fogo foi divertido. A Universidade com seu enorme teto verde é um voto de confiança no respeito ao nosso planeta. Descobrir o Museu de Mari Curie, “musa” de minha mãe, foi um momento à parte. E não podemos esquecer a deliciosa gastronomia do país.

Recomendo muito esse destino. Em outra oportunidade posso contar da parte do roteiro na França. Foi minha primeira experiência com a Casamundi. E a escolha justamente se deu por ser este tipo de roteiro diferenciado de viagens mais convencionais. Também e especialmente pelo cuidado no quesito pré-viagem, na oferta de palestras, audições e encontros gastronômicos que nos deixaram “afiados” e sensibilizados para uma plena imersão e absorção de toda a experiência. E o resultado foi além das expectativas.

[mkdf_image_gallery type=”image_grid” column_number=”2″ spacing=”medium” hover_click_action=”none” grayscale=”no” images=”26375,26376,26378,26379,26380,26381,26382,26383″ image_size=”600×400″]
[mkdf_separator position=”center”]

Miriam trabalhou por 31 anos como Perito-Psicólogo no Poder Judiciário gaúcho e está há três anos curtindo sua aposentadoria. Tem muitas viagens na sua lista de desejos, algumas já agendadas para este ano de 2019. Outras a planejar para os anos seguintes. Está há muito tempo devendo uma primeira visita à Itália e à Grécia.