Blog Casamundi

[mkdf_section_title title_text_transform=”capitalize” title_text_align=”center” title_size=”medium” title=”Um pedaço do Império Austro-húngaro” title_color=”#00a36c”][mkdf_section_subtitle text_align=”center” text=”por Patrícia Campos”]

Sempre tive curiosidade de conhecer Budapeste, e quando uma colega de trabalho voltou de lá comentando tudo sobre a viagem, a vontade só aumentou. Eu já tinha ido pra Europa em 2017. Visitei Dublin, Paris, Londres e Amsterdam. Então desta vez decidi ir com meu namorado, Rodrigo. Foi nossa primeira viagem juntos e fizemos este roteiro combinado de Budapeste e Viena, desenhado com a ajuda da Casamundi.

A Hungria passou a fazer parte da Europa em 2004. A história de Budapeste é a história de três cidades: Obuda, “antiga Buda”, Buda, a cidade alta situada na margem esquerda do Danúbio, e Peste, a cidade baixa na margem direita do rio. Em 1873, se uniram definitivamente Obuda, Buda e Peste sob o nome de Budapeste, e a cidade chegou a ser a segunda em importância do Império Austro-húngaro, atrás de Viena. Começamos por ali e ficamos hospedados no lado Peste.

Conhecer novos lugares é maravilhoso, sempre digo que viajar é um investimento para a alma. Budapeste e Viena são cidades lindas, que encantam. Carregam também muita história. Budapeste chama a atenção por sua arquitetura, suas lindas pontes, principalmente a Chain Bridge, a mais famosa. O Parlamento e a Basílica de São Estevan são visitas obrigatórias, mas ver os Sapatos na margem do Danúbio, homenagem aos judeus que foram mortos durante o nazismo, é muito emocionante.

Apesar de ter amado Budapeste, o ponto alto da viagem foi ir até a Prefeitura de Viena (Rathaus) à noite. Havia luzinhas em todas as árvores, fazendo a praça ficar toda iluminada. Ver pessoas de todas as idades se divertindo na pista de gelo que fica em frente à prefeitura foi um momento único. Além disso, os palácios de Viena também encantam, principalmente o Palácio de Schönbrunn e seus lindos jardins. Vale a subida até o Gloriette para uma vista incrível. Nos impressionamos bastante com a segurança dos dois lugares, sempre nos sentimos livres para sair à noite e usar o celular na rua, por exemplo.

Viena conquista a gente com seus palácios e qualidade de vida. A cidade também é cheia de barzinhos e pubs legais, com comida e cerveja baratas. Vale ir de noite para relaxar depois de um dia de passeios. Nós recomendamos o The Golden Harp, um pub irlandês que ficava a cinco minutos do nosso hotel, com cerveja barata e um hambúrguer maravilhoso! Vale também comer o famoso waffle da Fresh&Berry, super gostoso. Em Budapeste, o Szimpla Kert é imperdível, o bar mais diferente que já conheci.

Nossa viagem durou dez dias. Fomos de uma cidade a outra de trem. Em cada lugar, fizemos todos os percursos a pé, então tivemos a chance de conhecer muitos detalhe das cidades. Foram dias cansativos, mas lindos. A consultoria e o aplicativo que a Casamundi oferece são ótimos. O app ajudou muito durante a viagem toda, desde os aeroportos (informando o portão de embarque e etc.) até no roteiro dentro das cidades. Nossa lista para as próximas viagens já está extensa e estamos planejando novo roteiro para 2020.

[mkdf_image_gallery type=”image_grid” column_number=”2″ spacing=”medium” hover_click_action=”none” grayscale=”no” images=”26405,26406,26407,26408,26409,26410″ image_size=”600×400″]
[mkdf_separator position=”center”]

Patrícia é estudante de psicologia e sabe que viajar vicia. Pretende conhecer em breve, e com Rodrigo, países como Bélgica, Suíça, Alemanha e Itália.