55 51 3392-4283
| Borges de Medeiros 2500/1909 | Seg - Sex 9.00 - 18.00 |
Top
 
Casamundi Turismo / Peru, Chile e Argentina

Peru, Chile e Argentina

por Voltaire Del Pino Vaz

Eu e minha esposa, Rosalina, gostamos muito de viajar. Fizemos este roteiro porque ela queria muito ir a Machu Picchu, então decidimos estender a viagem, além deste destino. Embarcamos para visitar três países durante 17 dias, em agosto de 2016.

Começamos pelo Peru. Chegamos em Lima e fomos a Cusco. Ficamos impactados. Não é à toa que Cusco é o “umbigo do mundo”. Estrangeiros de toda a parte e uma riqueza cultural sem tamanho. Além da altitude de 3.400m, tem um comércio muito ativo, artesanato variado e é possível fazer câmbio, trocar dinheiro, em todas as esquinas. Há todo tipo de passeio, incluindo visitação a lugares onde se criam lhamas e antílopes. A noite em Cusco é um carnaval de tanta gente. Uma mistura de cultura, passado e história.

Depois de três dias por lá, fomos ao Vale Sagrado e visitamos Machu Picchu. A viagem de trem para Águas Calientes é excelente. Há serviço de bordo, desfile de moda, música, além da vista panorâmica do caminho. De lá, voltamos para Lima, mas fomos direto ao aeroporto, onde embarcamos para Santiago, no Chile.

A cidade é muito bonita, tem um comércio forte, excelente. Há muito progresso e a gastronomia é maravilhosa também. Caminhamos bastante pelo boêmio bairro da Providência e recomendamos o restaurante “Como água para chocolate”. Ele é lindo, temático. Na entrada há uma mesa que é uma cama, por exemplo. E o restaurante é muito bom.

Tiramos um dia para visitar Valparaíso e Viña del Mar, em um bate-volta. São destinos turísticos litorâneos muito lindos. Em Vinã del Mar, balneário de luxo e sede do famoso Festival da Canção que leva seu nome, conhecemos o hotel que hospedou a seleção brasileira, que saiu do Chile campeã do mundo, em 1962. É tudo muito bem cuidado e a natureza é linda.

Voltamos a Santiago e fomos a Buenos Aires, que dispensa apresentações. Sou aficionado pela capital argentina. Por lá, gostamos de ficar nas proximidades da Calle Florida. Ir a Buenos Aires e não comer uma boa carne e assistir a um tango é proibido pra gente. Recomendo os tangos El Viejo Almacén e Carlos Gardel. Nunca deixamos de ir também ao Café Tortoni, que guarda seu estilo antigo, além de muita história e lanches incríveis. Outro hábito que temos é ir ao Puerto Madero e à Boca. Não deixamos de tirar fotos com bailarinas e dançar nas tanguerias. Sempre temos boas noitadas por lá.

Nossa próxima visita foi a Bariloche, que definiria como a natureza em festa. Pegamos nevascas, fomos ao Cierro Catedral. Só não subimos porque o teleférico estava fechado. Vimos muitas excursões de estrangeiros. Havia brasileiros do nordeste, brincando na neve, atirando bolas, um clima muito legal. Na volta do Cierro a gente fica um pouco apreensivo, principalmente se se pega muita neve no caminho, como foi o nosso caso. Como dizia o genial jornalista Paulo Francis: a neve é muito bonita, em cartão postal, porque quando começa a derreter, sai da frente.

Por lá fizemos muitas compras, os chocolates são muito bons, as bebidas também. Adoramos um bistrô chamado Del Turista, na verdade é uma cafeteria e chocolateria excelente. Tiramos muitas fotos em Bariloche.

Bariloche é ideal para quem quer fazer esportes de inverno, comer bons chocolates, comprar roupas boas. E para esquiar, não se precisa levar nada, tudo se aluga: apetrechos, botas, equipamentos, esquis e trajes. Qualquer loja no centro ou no Cerro Catedral oferece esse serviço e com boa qualidade.

Para finalizar a viagem, retornamos via Buenos Aires, aproveitando mais um dia e uma noite por lá. Para nós, essa cidade é indescritível: alma portenha por excelência.

De todo esse passeio, o que mais recomendo é a visita ao Peru. Vale muito à pena, tudo é de uma maravilha imensa. A história da América Espanhola é densa, há muitos lugares maravilhosos a conhecer. A história dos Incas, liderada por Pachacuti, é muito rica. Foi uma pena os espanhóis chegarem. Em uma próxima vez queremos ir a Lima, pois só passamos pelo aeroporto, e o Peru, que deixou um gostinho de quero mais.

Uma história curiosa que vivi por lá, foi na chegada a Cusco. Estranhei muito a altitude, e o chá de coca não resolveu. Só fiquei bem com muito oxigênio. Foram quatro horas em que não lembro de nada daquele dia. Mas passou e valeu muito à pena.

O atendimento da Casamundi e da Catiane são nota mil, se pudéssemos dar alguma nota. Viajamos sempre com este apoio. A Catiane, além de uma ótima conselheira de viagem, se tornou nossa amiga. Adoramos estar com ela e seu filho Matheus, sempre que possível. E a Casamundi, além de cuidar de todos os detalhes da viagem, tem a Cambiomundi. É muito bom e seguro contar com o Giancarlo, “o homem do dinheiro”.

Voltaire e Rosalina são professores aposentados e recomendam muito esse destino e roteiro. Em 2020 querem voltar à Europa, provavelmente de transatlântico. Lisboa, Paris e Barcelona moram em seus corações e fazem qualquer viagem valer à pena. Revisitá-las é sempre uma boa ideia.