• Geral
  • Roteiro
  • Incluído

Vamos conhecer a deslumbrante Chapada dos Veadeiros, num percurso de aproximados 230 km até Alto Paraíso. Mas para falarmos desse peculiar destino, antes é preciso que sejam deixadas para trás crenças, dogmas e limpar a mente. Não, não estamos tentando convencer nem tentar provar nada. Mas essa região tem algo especial, que faz aflorar o sexto-sentido (até de quem nem acredita nele). Deixe emergir essa percepção extrassensorial.

Alto Paraíso está justo no paralelo 14, a mesma linha imaginária que passa por Machu Picchu. O subsolo também tem sua riqueza: acredita-se que abriga uma imensa placa de milhões de toneladas de quartzo. Essa pedra está ligada à energização e purificação. Pode ser que seja o quartzo, pode ser a ligação especial com a cidade perdida dos incas, mas essa parte do cerrado também leva o mérito de atração por sua paisagem ímpar. A geografia nos bancos escolares nos ensinou que chapadas são “áreas de terras elevadas de grandes dimensões com topo parcialmente ou totalmente plano”. Mas a Chapada dos Veadeiros é muito mais do que isso. Gente de todo mundo vem para cá em busca de respostas aos anseios mais íntimos, não encontradas em outros meios tradicionais. Ou apenas para dar um tempo, respirar ar puro e ter a sensação do relógio girar mais devagar. Tirar o pé do acelerador. Vamos nos fundir à natureza da Chapada dos Veadeiros.

São mais ou menos 120 cachoeiras, muitas abertas à visitação, onde ocorrem tratamentos alternativos que vão da terapia de vidas passadas até atividades de relaxamento como massagem ayurvédica. Muitas culturas e doutrinas também bebem desse precioso líquido em busca de conhecimento e iluminação.

Depois de alimentar a mente, vamos passear pela Chapada dos Veadeiros. Tem atrações para uma semana inteira. Primeiro, é importante saber quando ir. Melhor priorizar os meses de seca: maio a setembro. Nessa parte do país, as estações são bem definidas: seca e chuvosa. A estação seca deixa as águas das piscinas naturais, que se formam pelas cachoeiras, mais cristalinas. E vamos combinar: ninguém merece viajar com tempo feio.

São várias trilhas que podem ser feitas dentro do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. Ele também é Patrimônio Natural da Humanidade pela UNESCO. Dependendo do tempo da viagem, não dá para conhecer todas elas. O Parque está localizado a 32 km da cidade de Alto Paraíso. Há também a opção de se hospedar no município de São Jorge (fica cerca de 1 km da entrada principal do parque). Alto Paraíso tem mais infraestrutura – mas sem perder a essência. E são apenas 35 km de distância.  Antes de chegar ao Parque, vale uma parada no Vale da Lua.  É uma trilha de uns 600 m, imperdível. Suas formações rochosas levaram milhões de anos para ficarem desse jeito único. São grutas, fendas e crateras banhadas pelo Rio São Miguel.

Dentro do Parque dá para fazer diversas trilhas. Difícil ou quase impossível é eleger a mais bonita. As trilhas que podem ser percorridas são: a Travessia das Sete Quedas, a Trilha da Seriema, trilhas dos Saltos, Carrossel e Corredeiras e a Trilha dos Cânion II e Cariocas. É importante planejar a visita de acordo com o grau de dificuldade. A Travessia das Sete Quedas, por exemplo, precisa de dois ou três dias para ser percorrida em 23 km de extensão. Para completar o trajeto, é preciso acampar no parque e o nível de dificuldade é pesado (melhor deixar para os experientes). A Trilha da Seriema é a mais indicada para pessoas com dificuldade de locomoção, pouca experiência e crianças, pois sua extensão é de apenas 800 m entre ida e volta.

Completando todo esse panorama, ainda há uma fauna vasta. Infelizmente, espécies como o lobo-guará, cachorro-do-mato e raposa-do-campo estão em vias de extinção. Então será muita sorte cruzar com algum deles. Dentre as aves, os ilustres habitantes são o tucano-do-bico-verde, urubu-rei, e muitos outros pássaros que colorem os céus do cerrado.

Voltando para Alto Paraíso, encontramos uma cidade que é uma verdadeira Torre de Babel. Pelos motivos que já falamos, gente de todo mundo circula pelas ruas. O lugar bombou em 2012 – quando muitos esperavam o fim do mundo. Alto Paraíso seria preservado da (ainda bem) profecia errônea dos Maias. As opções de hospedagem são em charmosas pousadas como a Woodstock Guesthouse, Vila Toá, Paralelo 14 ou Quatro Estações. Mesmo sendo um destino diurno, a cidade tem alguma opção de vida noturna. São bares com boa música ao vivo e um clima descontraído. Alguns estabelecimentos oferecem lounges ao ar livre e fogueiras, que unem as pessoas contando das aventuras do dia.

Tanto temos refletido nesse tempo em que estamos em casa e com uma rotina totalmente alterada. A Chapada dos Veadeiros pode ser o destino perfeito para uma viagem de imersão e reconexão com o mundo lá fora de uma forma muito mais autêntica e de valorização do simples. Pode ser um gelado e renovador banho de cachoeira, uma caminhada com cheiro de mato ou uma troca de ideias com um mochileiro lá do outro lado do mundo contando suas experiências nesse lugar tão nosso e tão cheio de magia.

No momento, sem informações.